Pop art na decoraçao

Uma das tendências do design de interiores que continua a conquistar adeptos em todo o mundo é a adoção do pop art na decoração do lar. Afinal, esse estilo permite não apenas a possibilidade de inovar e explorar a criatividade, mas também imprimir sua personalidade e seu bom gosto de maneira diferenciada em cada canto do seu imóvel.

É por esse motivo que preparamos este post especial contando sobre a história do pop art, suas características e como usá-lo nos ambientes com equilíbrio e diversidade. Acompanhe!

Como surgiu o Pop art

O pop art surgiu como uma expressão artística contemporânea em meados da década de 1950, quando os EUA e a Inglaterra reestruturavam a sociedade ocidental após a recente Segunda Guerra Mundial.

No intuito de reforçar (e também criticar) o consumismo e se diferenciar de outros segmentos da arte à época, adotou-se o que era tido como popular como foco das criações desse estilo, mesclando elementos do cinema, da publicidade, das HQs e muito mais.

Além disso, foram acrescentados os grafismos, diferentes cartelas de cores e objetos — muitas vezes ligados às grandes marcas, como a Coca-Cola, a Lucky Strike, a Heinz, a Dodge etc — que representavam as massas e geravam, consequentemente, a identificação com as obras.

Entre os artistas mais marcantes desse estilo, por exemplo, estão o Andy Warhol, com seus retratos multicolores de artistas amados e cultuados pelo público (como a consagrada imagem de Marilyn Monroe), e o Roy Lichtenstein, responsável por produzir diversas obras com a estética visual dos quadrinhos.

Quais são as principais características desse estilo

estilo pop art

Como já citado, uma das principais características do pop art está justamente nessa grande mistura de referências ao que estava no auge entre as massas sempre, é claro, mantendo-as de forma harmônica e agradável visualmente.

Às vezes elas eram representadas por meio de fotografias com saturações e efeitos de cor distintos, outras por ilustrações e estampas e em alguns casos em forma de símbolos repetitivos que transmitiam uma ideia de forma contínua.

Quanto às cores, buscou-se explorar tonalidades diversificadas, vibrantes e, em alguns casos, fluorescentes que trouxessem o dinamismo e a vivacidade características de uma sociedade moderna e sempre ativa.

Outra característica marcante é o tamanho das obras que, ao contrário de outras expressões artísticas, buscava reproduzir em escala real ou hiperdimensionada imagens de celebridades, material publicitário, marcas e seus produtos e muito mais.

Como utilizar o pop art na decoração

1. Pense nas referências

Por dialogar com tudo aquilo que foi de grande êxito nos anos 50 e 60 e que marcou o grande público em geral, tornando-se mainstream (termo em inglês que significa popular), é comum o pop art na decoração também trazer algumas referências às personalidades famosas, seja por meio de imagens ou grafismos, que reforcem o conceito por trás desse estilo.

Alguns exemplos clássicos são a Marilyn Monroe, a Audrey Hepburn e a Brigitte Bardot, embora diversas outras celebridades sejam recorrentes nesse tipo de décor.

Por essa razão, é importante refletir sobre quais são as referências que vão integrar os ambientes da sua residência. Isso porque o ideal é que elas não sejam colocadas de forma avulsa, mas sim que tenham um contexto por trás da escolha, seja ele porque você conhece o trabalho do artista, se identifica com sua obra etc.

2. Utilize estampas

As estampas também podem ser uma excelente alternativa para contrabalancear as cores, ilustrações e grafismos nos cômodos, especialmente salas, cozinhas e quartos.

Entre os principais formatos estão os geométricos, como triângulos, losangos e retângulos, e o chevron. Em muitos casos, as formas irregulares são uma opção a mais para promover dinamismo nos recintos.

Isso porque elas são fluidas e podem remeter a dois estilos de decoração simultaneamente, como o moderno e o vanguardista, o que dialoga inteiramente com a proposta do pop art. Para inseri-las no seu lar de maneira elegante, praticidade e com excelente custo-benefício você pode adotar papéis de parede.

3. Crie paletas de cores harmônicas

explorando as cores

Como o estilo pop art permite uma liberdade muito maior para explorar a infinidade de cores existentes, é natural que você tenha certa cautela a escolher aquelas que vão compor a paleta dos ambientes no seu lar. Afinal, sua intenção é que elas não contrastem entre si e proporcionem espaços cheios de vida, diversidade e bom gosto.

Para tanto, é indispensável que você foque na rega dos tons complementares e análogos. Os primeiros dizem respeito àquelas tonalidades opostas no círculo cromático, como o laranja e o azul, mas que ainda assim se complementam e criam uma unidade visual harmônica.

Já os segundos se referem as cores que estão próximas no círculo cromático, como o amarelo, o laranja e o amarelo-alaranjado, na qual uma delas é a dominante/primária (amarelo) e as demais secundárias e terciárias (laranja e amarelo-alaranjado, respectivamente).

Juntas, e seguindo essa ordem de sobreposição, permitem um décor colorido e diversificado, mas acima de tudo equilibrado.

4. Invista em uma iluminação diversificada

Esqueça a iluminação unidimensional. Ao usar o pop art na decoração da sua casa você pode (e deve) investir em pontos de luz diferenciados nos ambientes. Ou seja, não concentre a luminosidade apenas no teto. Explore outras superfícies e, principalmente, a diversidade de luminárias.

Em móveis, prateleiras e nichos, você pode inserir fitas de LED que têm como propósito realçar peças de artes e acessórios decorativos. Já nas paredes, por sua vez, vale a pena contar com arandelas, que criam uma iluminação menos invasiva e sem sombras.

Além dessas opções você pode ter pendentes, abajures e luminárias de coluna que projetam fachos de luz indiretos e que destacam a paleta de cor do recinto e objetos, como quadros e telas.

5. Complemente os cômodos com acessórios e móveis vintage

Por fim, complemente a decoração com os acessórios e a mobília vintage, que serão responsáveis por remeter aos elementos característicos dos anos 50 e 60 e que harmonizam com o estilo pop art.

Alguns exemplos são os móveis laqueados, como racks e mesas; almofadas com nuances fortes, sofás com estofado em couro ou camurça e tons vibrantes, pôsteres, relógios com design contemporâneo, telas pintadas com tinta acrílica e tapetes com estampas geométricas.

Agora que você já sabe como incluir o pop art na decoração do seu lar e o que está por trás dessa expressão artística, não deixe de repaginar sua casa com essa tendência e ter ambientes repletos de bom gosto, personalidade e conforto!

E se você gostou de saber mais a respeito desse estilo, aproveite e compartilhe este post com seus amigos nas redes sociais e os inspire!

 

Conheça a loja

Escrito por QCola